5 produções LGBT na Netflix

Catálogo do canal streaming é bastante abrangente; confira algumas das produções disponíveis

Publicado em 05/12/2016

Com um catálogo cada dia mais recheado de séries e filmes, a Netflix faz questão de inserir títulos que agradam a todos os gostos. Na categoria LGBT são diversos os títulos e gêneros que narram histórias complexas, emocionantes e alegres. 

O Tudo TV separou cinco produções com a temática para você curtir no próximo final de semana. Confira:

Azul é a Cor Mais Quente (2013)

Aos 15 anos, Adèle se apaixona pela intensa jovem de cabelos azuis. Repleto de cenas quentes e dramáticas, o longa apresenta as dificuldades de um relacionamento e de assumir uma relação com uma pessoa do mesmo sexo.

Orange is the New Black (2013)

Baseada em uma história real, o enredo se passa dentro de uma prisão feminina, onde é abordado as diferentes questões que cercam a sexualidade da mulher, e também a transexualidade. A roteirista da série afirmou que se descobriu lésbica através do próprio roteiro.

Clube de Compras Dallas (2013)

Com uma história emocionante e atuações incríveis, o longa apresenta o cenário preconceituoso vivido nos Estados Unidos em 1985, uma das épocas mais obscuras da doença já que era muito desconhecida ainda. Um eletricista heterossexual contrai o HIV e luta para trazer o medicamento para os soropositivos. Uma personagem transexual estabelece uma amizade inusitada com ele e proporciona ainda mais emoção à trama.

Sense 8 (2015)

A série conta a história de oito desconhecidos que passam a serem interligadas por uma conexão mental. Cada um deles é de um país e uma cultura diferentes, mas isso não os impede de sentir, ouvir, comunicar e sentir as emoções uns dos outros. A trama mescla ficção com drama e aborda a homossexualidade e a transexualidade na vida das personagens. A série é dirigida pelas irmãs transexuais Lilly e Lana Wachowski.

O Jogo da Imitação (2014)

Baseada em fatos reais, a trama conta a história do matemático homossexual Alan Turing, que durante a Segunda Guerra Mundial foi responsável por desvendar os códigos utilizados pelos alemães. Em um período que atos homossexuais eram ilegais no Reino Unido, Turing recebeu um processo criminal em 1952, que como alternativa à prisão aceitou a castração química.

Foto: Divulgação